CLUBES DE INVESTIDORES

História
Os primeiros Clubes de Investimento de que há registo, tiveram origem nos países anglo-saxónicos, nomeadamente nos E.U.A, por volta de 1940. Numa altura em que o mercado de capitais se encontrava em plena ebulição e em que ninguém queria ficar de fora, surgem pequenos grupos de investidores (no mínimo de três) que reuniam recursos (financeiros e humanos) no sentido de maximizarem o seu investimento diminuindo o handicap relativamente a outros investidores com mais recursos financeiros e fundamentados na pulverização do risco através da diversificação de estratégias de investimento.
Talvez devido a sua maturidade não seja de estranhar a existência, há diversos anos, nesses países, de uma regulamentação específica para este tipo de actividade, ao contrário do que se passa em Portugal, onde não existe qualquer tipo de legislação que defina ou regule os clubes de investimento em particular, devendo estes respeitar a Lei em geral e no que respeita ao Código de Mercado de Valores Mobiliários.
Para além da inexistência de um enquadramento legal inequívoco e regulamentação específica relativamente aos clubes de investimento, temos, em Portugal, uma completa ausência de “evangelização”, explicação e sensibilização deste tipo de instrumentos de aplicação de capitais e formação financeira ou qualquer incentivo a organização e criação de clubes de investimento como acontece por exemplo no Brasil com a isenção do imposto de renda para o Clube.

Veículo de redução de custos de intermediação financeira
Os Clubes de Investidores têm bastante relevância como veículos de acesso de pequenos investidores ao mercado de capitais em condições competitivas funcionando como um veículo de redução de custos de intermediação financeira, conseguindo deste modo diminuir o seu handicap de dimensão no mercado de capitais.

Os primeiros Clubes de investimento como pessoa colectiva em Portugal
RIGHT SIDE investment club com a missão de retorno absoluto sobre o slogan “Bullish or Bearish be in the RIGHT SIDE”, significando que, independentemente das condições do mercado, pretende obter retorno. Está filosofia é a mesma aplicada nos Hedge Funds.
THINK Finance – investor intelligence com uma missão mais pedagógica do que o investimento tem como slogan “Exempla movent magis quam verba”, significando que procuram através de exercícios práticos formar os seus associados de forma a torna-los mais aptos para o mercado de capitais. (ATM)

About João Monge Ferreira

Desejo que cada uma das pessoas empreendedoras que estão dentro de empregos desalinhados com os seus talentos, conquistem a liberdade para abrirem seus próprios negócios.

Posted on 2007/06/01, in Investidor. Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: