Category Archives: All

Lisbon city guide: a day in Cais do Sodré

Once a seedy area of Lisbon, the riverside Cais do Sodré district has been reborn as one of the city’s coolest, a hub of great clubs, bars, restaurants and original shops.
 
Station Club, Lisbon

Station, a restaurant, bar and club on Lisbon’s riverside

Open any Portuguese magazine these days and there is sure to be an update on Lisbon‘s riverside Cais do Sodré. Its transformation from sleazy haunt frequented by hard-drinking sailors to one of the city’s coolest nightlife districts has been swift, and made the country sit up and take note. Elegant new bars jostle with contemporary restaurants and even the beautiful 19th-century fish market is set to unveil a new food court later this month, mixing gourmet fare with traditional petiscos.

1. Start the day on Avenida Ribeira das Naus, where many of the Portuguese explorers’ ships were built, and which opened last year as a new waterfront focus for the city. It has terracing with deckchairs where you can soak up the morning sun after picking up a breakfast of a bica(espresso) coffee and pastel de nata (custard tart) from a kiosk. A water garden will be finished here later this year.

2. Lisbon’s biggest food market, the lively Mercado da Ribeira(Avenida 24 de Julho, 6am-2pm, closed Sun), was built at the end of the 19th century and topped by a Moorish dome. Among the flowers and regional cheeses, varinas (fishwives), who once sold their wares from flat-bottomed baskets balanced on their heads, offer a selection of cuttlefish and clams, moray eels and sea bass. At weekends handicrafts and antiques are also on offer.

3. Wind your way to the beautiful Praça de São Paulo, a superb example of Pombaline architecture (the Marquês de Pombal helped to plan the rebuilding of Lisbon after the 1755 earthquake). It is dominated by the church of São Paulo, which is worth a look for its painted ceilings. The characteristic mosaic-style cobbles in the square date from 1849. The iron kiosk – another typical Lisbon sight – dates from the early 20th century. In summer, there are seats all around it where you can linger over a coffee.

4. Just across the road is Branco sobre Branco, an interior design shop where Vera Moreira and Paula Laranjo create unique pieces of furniture from cork and oak, drawing on Portuguese traditions in their designs. Look out for the eye-catching, latticed wooden topped boxes and the striking framed beetles.

Casa de Pasto restaurantCasa de Pasto restaurant

5. Casa de Pasto restaurant recalls 19th-century Lisbon, with lace curtains at the windows and painted flowers on the ceilings, though Diogo Noronha’s delectable dishes marry modern methods withPortugal‘s culinary traditions. A classic, if heavy, choice would be kale soup with chorizo (€3.50) followed by the duck rice (€9).

6. Walk off lunch by heading up the long Rua do Alecrim towards Bairro Alto. There are several places worth stopping at, from the contemporaryAllarts Gallery, which holds exhibitions by renowned artists such as ceramicist Bela Silva (until 17 May) to d‘Orey & Cardosoa treasure trove of azulejos (antique tiles) that are part of many a Lisbon facade. Its range stretches from the 15th to the 20th century, with tiles from €5 to €900.

7. For the best chocolate cake in town, dip into the wonderfully atmospheric Landeau cafe around the corner.

O Bom, O Mau e O Vilao, Lisbon, PortugalO Bom, O Mau e O Vilao

8. As evening approaches, head to the bars on Rua do Alecrim. This is where you can see the new side of Cais do Sodré at play. O Bom, O Mau e O Vilão translates as The Good, the Bad and the Ugly, and sets the tone for this new cocktail bar. Its list of 21 gins makes it a good choice for a drink – or two – before dinner.

9. After your aperitif, move on down to the riverside, where an old salt warehouse on a wharf has been converted into a range of bars and restaurants. Ibo serves Mozambican food with a Portuguese twist, such as spicy octopus stew. Next door is Vestigius, a wine bar that runs art exhibitions and musical events.

10. End your day at Station a restaurant, bar and club over two floors where you can sit by the window and watch the Lisbon night sky punctuated by lights from the 25 de Abril Bridge – a Golden Gate lookalike, named after the revolution – 40 years ago last week– that ended the dictatorship . If it is a Thursday, Friday or Saturday, you can dance upstairs to DJs who play until the sun comes up over the water in front of you.

11. Local’s tip

Sol e Pesca, LisbonSol e Pesca, Lisbon

Ana Rodrigues, , marketing director, Heritage Hotel Group Rough, ready and incredibly popular, Sol e Pescais a fishing tackle shop that now houses a bar selling and serving canned seafood, from sardines to octopus, accompanied by cornbread and local beer. This place buzzes until the early hours.

12. Where to stay

LX HotelPhotograph: Stefano Pinci

The beautifully blue LX Boutique Hotel has a welcoming feel and affordable prices. A taster dish of its not-to-be-missed Japanese food (and a glass of wine) is offered on the house to all guests every night and its distinctive decor draws on the capital’s cultural history, with a floor inspired by fado music and one named after famous Lisbon poet Fernando Pessoa

Fonte: Guardian

Anúncios

A revolução que aconteceu na internet – A internet no imobiliário

Gerir mais e melhor informação para responder aos desafios.

Assistimos a uma evolução do mercado, num ambiente altamente concorrencial,  com necessidade de investimento em quantidade de ativos humanos, que na maioria dos casos se tornaram excedentes.
Muitas estruturas empresariais foram mantidas com modelos organizacionais obsoletos e prisioneiras de hábitos desajustados às novas dinâmicas de negócio.

O mundo mudou, a sociedade transformou-se e a forma de fazer negócios também. Competir num mercado onde a informação circula em múltiplas camadas e meios a ritmos alucinantes, causa novas dificuldades e desafios às empresas e aos profissionais de todos os sectores de atividade e o imobiliário não é exceção.

 

A revolução que aconteceu na internet

CRM

A internet veio trazer um “empowerement” do cliente, capacitando-o de fontes de informação acessíveis e gratuitas. Na revolução denominada 2.0 estreitaram-se os canais de comunicação entre as pessoas e surgiram novas plataformas que potenciam o protagonismo de cada uma, criando novas tendências de agregação social, onde se invertem as regras da cadeia de valor.

A título de exemplo verificou-se na Europa, na última década, um crescimento de utilizadores de internet superior a 390%, atingindo uma taxa de penetração na população de cerca de 63% num universo populacional estimado de 820 milhões de habitantes (World Internet Usage and Population Statistics – June 30, 2012 – internetworldstats.com).  Foram contabilizados no mundo em dezembro de 2011 cerca de 555 milhões de sites ativos (Internet 2011 in numbers – pingdom.com).

Neste cenário tornou-se imperativo para qualquer negócio, estar presente no mundo digital encarando-o de uma forma séria e profissional, com a perspetiva de desenvolver uma verdadeira estratégia de comunicação. Temos cada vez mais utilizadores ligados à rede de informação e entre si.  Estabelecem-se novos hábitos de vida e de consumo baseados em auto-aquisição de conhecimento e recolha de opiniões. Qualquer que seja o tema: empresas produtos, serviços… o utilizador pesquisa, o Google responde e os amigos opinam! Não será difícil encontrar casos de clientes que muitas vezes tê, mais conhecimento do produto do que o próprio vendedor.

O Facebook por exemplo, regista na Europa um número de cerca de 251,5 milhões de utilizadores sendo em finais de agosto de 2012 o continente com mais utilizadores registados nesta rede social atualmente ultrapassado pela Ásia.  Em Portugal o número total de inscritos no Facebook ascende aos 4,7 milhões com uma taxa de penetração de quase 86% dos utilizadores de internet do nosso país (socialbakers.com).
A internet no imobiliário

Internet
O setor imobiliário é uma das áreas de negócio que mais utiliza a internet para divulgação dos seus produtos, e cujos resultados atingem importância de tal ordem, que muitas empresas já baseiam a quase totalidade da sua comunicação na rede, como meio de captar clientes.  No entanto este nível de retorno  não é aplicável a todas as empresas de forma linear.
Assiste-se ainda no setor imobiliário, a um grande alheamento do real propósito e potencial da rede internet. A maioria dos profissionais entende a internet como mais uma montra de exposição de produto, utilizando-a de forma empírica e sem cuidado, dando prioridade à quantidade de exposição sem preocupação com a qualidade da informação a expor.

Os clientes que atualmente procuram um imóvel, não se interessam por informações deficientes e mal concebidas, que lhes causam dúvidas e não lhes inspiram confiança. Os clientes interessam-se mais por boas foto-reportagens, acompanhadas por textos mais centrados nos benefícios  que o imóvel lhes pode proporcionar do que apenas na descrição das suas características.

Requalificar ativos humanos e investir em tecnologia verdadeiramente útil
Para produzir efeitos positivos no negócio é necessário que cada empresa repense a sua forma de comunicar, e que a orientação dos seus profissionais seja realinhada com as novas exigências dos clientes. As organizações devem proceder à requalificação dos seus ativos humanos e tecnológicos, selecionando novas e atuais ferramentas de trabalho para a gestão e organização, que permitam responder de forma ativa e assertiva aos desafios do mercado.

Elaborar um plano de ação orientado para o sucesso requer que cada empresa efetue uma mudança estrutural, substituindo softwares de simples publicação de imóveis e gestão local obsoletos, por ferramentas de CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) de arquitetura internet e orientados para a mobilidade. Este conjunto de ferramentas vai potenciar a empresa e as equipas de trabalho: gestão, marketing e força de vendas, com acesso em tempo real a mais informação, em qualquer lugar e a qualquer hora, reduzindo o risco de perda de oportunidades e garantindo uma maior otimização de recursos.

Esta abordagem irá permitir criar e encadear novos fluxos de informação e comunicação, multiplataformas e multimeios, produzindo e replicando, a partir de uma plataforma única e estruturada, uma mais ampla e coerente presença no mundo digital.

São muito escassas as possibilidades de sucesso se não forem adotadas estratégias de divulgação de informação através da articulação de meios como sites internet, acessíveis simultaneamente a computadores de secretária, tablets e smartphones, altamente cuidados ao nível de design e otimizados para indexação em Google tirando partido do melhor posicionamento nos resultados orgânicos das pesquisas; páginas em redes sociais principais como o Facebook, Twitter e Linkedin e ainda canais de vídeo como o Youtube.

Devem considerar ainda o poder do E-mail Marketing, que representa hoje o principal meio de comunicação escrita.
Na plataforma de Gestão Imobiliária e CRM vai poder manter atualizadas as suas listas de e-mails de clientes e demais bases de contactos que pretenda trabalhar, construir automaticamente as suas newsletters ou boletins informativos e ainda proceder ao seu envio. O potencial de retorno deste tipo de ferramentas é elevado na medida em que manifesta uma atitude proativa da empresa com enfoque no cliente e no que realmente lhe interessa.
A empresa passa a ser o motor do seu próprio negócio, orientada para a procura das suas oportunidades em vez de estar à espera que estas lhe batam à porta.

 

CRM, satisfazer e fidelizar o cliente

CRM

É nesta abordagem e orientação para o cliente que residem os princípios estruturais de uma estratégia de sucesso.  A oportunidade com origem num determinado meio é criada primariamente por uma motivação e seguida da necessidade de satisfação de um cliente. Logo o centro da atenção deve ser o cliente e não a oportunidade em si.  Quantas vezes o cliente solicita informação de um determinado produto e na realidade vai interessar-se por outro. Aqui a empresa deve ter na sua ferramenta de CRM todas as funcionalidades que lhe permitam obter dados importantes para fazer um acompanhamento eficiente, satisfazer a necessidade do cliente e fidelizá-lo aos seus serviços.  Esta construção de relacionamento é indiscutivelmente algo que todos procuram fazer mas poucos conseguem manter.

Bancos a salvar-se a si próprios

A chanceler alemã Angela Merkel mostrou-se nesta segunda-feira, 25 de Março, agradada com a solução acordada para resgatar Chipre e reestruturar a sua banca.

 “Sempre dissemos que não queríamos contribuintes a salvar bancos, mas antes bancos a salvar-se a si próprios. Será esse o caso em Chipre”, disse. “Este resultado é o correcto: põe o essencial da responsabilidade sobre os que causaram estes desenvolvimentos errados. É assim que deve ser”, acrescentou, citada pela Bloomberg.

Accionistas, obrigacionistas e depositantes com contas acima de 100 mil euros vão ser chamados a pagar a reestruturação da banca cipriota, que passará pelo encerramento do Laiki, o segundo maior banco, e por saneamento e recapitalização, suportada também pelos depositantes, da maior instituição financeira do país, o Bank of Cyprus. 

 Empréstimo europeu de 10 mil milhões destinar-se-á a financiar o Estado cipriota.

Valorizar abre candidaturas a microempresas

Estão abertas candidaturas ao SIALM – Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas, no âmbito da Iniciativa 1 do Programa Valorizar, que dispõe de uma dotação de 25 milhões de euros.


A apresentação de candidaturas processa-se em contínuo até 9 de Dezembro deste ano, através de formulário eletrónico disponível na página de Internet dos Incentivos QREN.

O Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas tem como objetivo apoiar “exclusivamente as microempresas já existentes, situadas em territórios de baixa densidade com problemas de interioridade, enquanto territórios com menores oportunidades de desenvolvimento”.

O SIALM apoiará, de forma integrada, “a realização de investimento e a criação líquida de postos de trabalho nesses territórios”.

Por outro lado, as empresas que tenham projetos aprovados no âmbito do SIALM podem ainda aceder a uma linha de crédito INVESTE QREN, junto dos bancos aderentes para financiar a parte do seu investimento não comparticipado pelo programa.

Chipre – Romper com a regra de ouro

Zona euro rompeu com a “regra de ouro” de assegurar a protecção dos depósitos até 100 mil euros.

A reacção negativa ao programa de resgate cipriota acontece no dia em que o Parlamento cipriota se reúne, hoje, feriado em Chipre, para votar o acordo que o Governo negociou com a zona euro. Em causa está um empréstimo de 10 mil milhões de euros que tem como contrapartida o cumprimento, por parte de Nicósia, de um plano de medidas que incluiu um aumento de impostos sobre as empresas que pode chegar a 12,5% e um imposto extraordinário sobre os depósitos. Uma medida que abrange todas as poupanças, com a aplicação de uma taxa de 6,7% sobre os depósitos abaixo de 100 mil euros e de 9,9% sobre os depósitos acima deste valor.

Draghi desanima Wall Street

Imagem

Os mercados norte-americanos abriram a sessão no vermelho pelo quarto dia consecutivo. As palavras de Mario Draghi não corresponderam às expectativas e estão, neste momento, a penalizar as bolsas da Europa e dos Estados Unidos.

Os mercados norte-americanos, bem como as bolsas do Velho Continente, estão em queda após a conferência de imprensa de Mario Draghi.

As expectativas eram muitas. A fasquia estava elevada. Depois de na semana passada, Mario Draghi, ter dito que a autoridade monetária estava preparada para defender o euro e que faria o “suficiente”, esperava-se que hoje mostrasse que de facto faria tudo para manter a moeda única. Mas não foi o que aconteceu.

Índice de Novas Encomendas na Indústria desacelera – Agosto de 2011

Em Agosto de 2011, as novas encomendas na indústria aumentaram 15,5% em termos homólogos (18,7% em Julho). Os índices de ambos os mercados desaceleraram em Agosto, tendo o índice relativo ao mercado externo registado um crescimento de 17,0% (20,7% no mês anterior), enquanto o do mercado nacional aumentou 13,8% (16,3% no mês precedente).

Fonte: INE

 

Moody’s: Dados orçamentais podem ter um impacto negativo na avaliação da agência

O INE revelou que o défice orçamental no primeiro semestre do ano atingiu os 8,3% do Produto Interno Bruto (PIB), superior aos 7,7% do primeiro trimestre do ano.

Num relatório semanal, citado pela Bloomberg, a Moody’s diz que a principal razão para a deterioração das contas nacionais foi a revelação de um novo desvio na Madeira. “A revelação faz lembrar quando, nos últimos anos, o governo grego admitiu que a dívida e o défice excederam o que foi inicialmente divulgado pelo Eurostat e aumenta os receios de que Portugal possa repetir o comportamento”, diz a agência de notação financeira, acrescentando que estes dados orçamentais podem ter um impacto negativo na avaliação da agência.

 

Faliram 14 empresas por dia no ano passado

Houve um aumento de 0,9% na criação de empresas. Janeiro foi o mês mais empreendedor.

No ano passado, mais de cinco mil empresas não conseguiram resistir à crise. As dificuldades económicas forçaram 14 empresas por dia a fecharem portas, o que ajuda a explicar os valores históricos da taxa de desemprego em Portugal.

Apesar de se ter registado um aumento de 15,6% face a 2009, este valor representa uma desaceleração face ao aumento de 36,2% registado em 2009, ano em que os efeitos da crise financeira se fizeram sentir com mais intensidade no tecido empresarial português.

De acordo com os dados da Coface, ontem divulgados, o Porto, à semelhança de anos anteriores, continua a ser o distrito mais afectado com 1217 empresas que declararam falência, cerca de 23,7% do total nacional, seguido de Lisboa com 18,7% das falências (962). Em terceiro lugar surge Braga, onde 827 empresas cessaram actividade, ou seja, 16,1% do total de insolvências, um desempenho que se explica pela importância do sector têxtil nesta região. A fileira da moda, que inclui as empresas do têxtil, vestuário e calçado, é uma das mais afectada com um peso no total das insolvências de 12,4%

 

Rede Social Cibereconomia

—-“Get out of the box”—- Creating a Culture of Innovation

Rede social, Cibereconomia. Para líderes em Inovação, empreendedores e investidores. Porque… Sucesso é ser Feliz.

Porque é o saber que está a substituir o capital.

Inovação, Criatividade, Atitude

Cibereconomia, Economia Digital, Mercados Financeiros, New Social Network.

Galp Energia

Galp Energia, SGPS, SA informa sobre o relatório dos resultados dos nove meses de 2008

Indicadores de Síntese do Mercado

Indicadores de Síntese do Mercado de Capitais Português – Maio de 2008

Da Bolsa

Mais ricos e mais pobres

Há anos que se debate se a globalização tem contribuído para aumentar ou diminuir a desigualdade de rendimentos. É inequívoco que a abertura dos mercados tem tirado da pobreza milhões de pessoas dos países em desenvolvimento, sobretudo da Índia e da China, mas não só. JN  Luísa Bessa

Seis acções para lucrar com a crise

Os investidores apressaram-se a vender as suas acções, assustados pelo terramoto que varreu os mercados. De tal forma, que o valor das empresas caiu para mínimos de mais de um ano, fazendo tábua rasa dos lucros conseguidos em 2007 e esperados para 2008. A queda foi tão violenta, que muitos analistas consideram que o pior cenário está praticamente incorporado, pelo que as acções estão com preços atractivos. E a bolsa de Lisboa não é excepção. O Jornal de Negócios seleccionou vários indicadores para o ajudar a separar o trigo do joio. Elegemos seis cotadas, que reúnem o melhor de seis mundos. (JN)

Alan Greenspan

Alan Greenspan estava deveras nervoso quando fez a viagem de avião para Dallas a meio do dia 19 de Outubro de 1987. Não era para menos. Wall Street estava em pânico desde o início desse mês, com o Dow Jones a descer 6% na primeira semana, mais 12% na segunda e sofrendo uma queda abrupta de 108 pontos na sexta-feira de 16 de Outubro.Como o “júnior” Alan Greenspan enfrentou a crise

%d bloggers like this: