Arquivos de sites

Derrocada na bolsa: banca afunda 9%

O índice português (PSI20) desvalorizou 3,54 por cento para 5.587,13 pontos, com 19 das 20 empresas cotadas no vermelho. Registou, por isso, a pior performance no Velho Continente, nesta que foi também a pior sessão desde setembro de 2011.

O setor da banca foi o mais fustigado. O BCP afundou 8,79% para 0,083 euros (novo mínimo de 8 de Janeiro), o BES derrapou 8,78% para 0,696 euros (valor de fecho mais baixo desde 16 de Outubro), o Banif tombou 5,98% para 0,110 euros (é preciso recuarmos a Junho do ano passado para alcançarmos este valor) e o BPI cedeu 4,38% para 0,917 euros (cotação mais baixa desde 17 de Dezembro).

Banca nacional já perde 30% desde Janeiro

As acções da banca portuguesa continuam a registar fortes quedas e já acumulam quedas desde o início do ano. Desde Janeiro, altura em que atingiram máximos de, pelo menos, um ano, os bancos portugueses já perderam cerca de 30% do seu valor.

O final do ano passado e início de 2013 prometia ser de ganhos para a banca portuguesa, depois da crise de dívida na Europa parecer dar sinais de acalmia. Mas as eleições em Itália e o pedido de ajuda financeira por parte de Chipre inverteram toda a situação e provocaram quedas acentuadas, principalmente entre a banca.

As acções dos bancos portugueses têm sido das mais fustigadas. O BCP ainda é uma excepção, já que continua a acumular um ganho de 16% desde o início do ano, mas já perdeu 28% desde 24 de Janeiro, dia em que atingiu um máximo de 2012 ao tocar nos 0,12 euros.

O BPI também já está negativo no ano, perdendo 0,32%, num dia em que as acções do banco liderado por Fernando Ulrich estão a deslizar mais de 2% para 0,938 euros. Face aos 1,38 euros, atingidos a 11 de Janeiro e que representam o valor mais alto desde Novembro de 2010, o BPI já perdeu 33,26%.

O BES, que está hoje a recuar cerca de 4% para 0,733 euros, está a acumular uma perda de 18% desde o início do ano. E desde 11 de Janeiro, dia em que atingiu o valor mais elevado desde Outubro de 2011 (1,19 euros), o banco liderado por Ricardo Salgado já acumula uma desvalorização de 39,8%.

O BES está mesmo entre os bancos europeus que mais perdem desde o início do ano, ocupando a sétima posição. O líder europeu de quedas é o National Bank of Greece, com uma queda de 53,49%, seguido pelo espanhol Sabadel (-26,97%) e pelo italiano Banco Popolare (-23,73%). O índice Stoxx para a banca europeia, que é composto por 46 membros, consegue, apesar destas perdas avultadas, continuar a acumular uma subida de 1% desde o início deste ano. Neste índice só constam dois bancos nacionais: o BES e o BCP.

Já o Banif acumula uma perda de 21% desde o início do ano, numa manhã em que segue a desvalorizar 1,71% para 0,115 euros. Este é o banco que mais perde na bolsa nacional desde o início do ano

A banca tem sido das mais fustigadas pela crise na Europa e os últimos desenvolvimentos afectarem em especial a banca dos países periféricos. O pedido de ajuda financeira de Chipre despoletou uma nova série de receios. A determinação de uma perda, que pode atingir até 60%, nos depósitos superiores a 100 mil euros, aumentou os receios entre os investidores em torno da possibilidade de se poder vir a verificar uma receita semelhante para outros países.

Onze cotadas com margem para subir mais de 50%

Em Lisboa, quatro empresas têm potencial de subida de mais de 100%.
A bolsa de Lisboa recuperou, fortemente, no final da semana passada, após o acordo entre os líderes europeus quanto à solução para a situação da Grécia. Um valorização que, ainda assim, não conseguiu anular semanas de quedas consecutivas que arrasaram as cotações das empresas nacionais.As descidas acentuadas deixaram muitas cotadas com fortes potenciais de subida. No Painel de Bolsa do Negócios há, actualmente, 11 cotadas que apresentam uma margem de progressão superior a 50%. Entre elas estão algumas das maiores cotadas portuguesas, nomeadamente títulos do sector financeiro.

O BCP, apesar da valorização dequase 6% na última semana, têm ainda um potencial de subida elevado. Depois dos mínimos históricos, o maior Banco Privado Português  por valor dos activos, pode subir 89% face à média das avaliações dos analistas.

O BPI pode ganhar 57%, tendo em conta o preço-alvo médio de 1,63 euros, mas é o Banif que, no sector, apresenta a margem de progressão mais expressiva. As acções do banco, que estão nos 0,518 euros, podem avançar até aos 1,05 euros. Ou seja, podem subir 103%.

Maior margem de progressão que o Banif, só três outras empresas, todas elas com potencial para mais do que duplicar de valor. A Teixeira Duarte pode subir 105%, já a Impresa tem margem para avançar 112%.

A Sonae Indústria mantém-se como a empresa com maior potencial, com base nas avaliações dos analistas. Apesar da subida de 7,24% na última semana, tem margem para avançar 119% até ao preço-alvo médio de 2,73 euros.

%d bloggers like this: