Arquivos de sites

Apple Has an Identity Crisis

Since Apple’s stock peaked at $702 in September, the company has lost $285 billion in market value, more than Google’s entire worth.http://on.wsj.com/12FxLZ0

Analysts project today Apple will report its first quarterly earnings decline in a decade. What are your predictions about Apple’s future?

Anúncios

A revolução que aconteceu na internet – A internet no imobiliário

Gerir mais e melhor informação para responder aos desafios.

Assistimos a uma evolução do mercado, num ambiente altamente concorrencial,  com necessidade de investimento em quantidade de ativos humanos, que na maioria dos casos se tornaram excedentes.
Muitas estruturas empresariais foram mantidas com modelos organizacionais obsoletos e prisioneiras de hábitos desajustados às novas dinâmicas de negócio.

O mundo mudou, a sociedade transformou-se e a forma de fazer negócios também. Competir num mercado onde a informação circula em múltiplas camadas e meios a ritmos alucinantes, causa novas dificuldades e desafios às empresas e aos profissionais de todos os sectores de atividade e o imobiliário não é exceção.

 

A revolução que aconteceu na internet

CRM

A internet veio trazer um “empowerement” do cliente, capacitando-o de fontes de informação acessíveis e gratuitas. Na revolução denominada 2.0 estreitaram-se os canais de comunicação entre as pessoas e surgiram novas plataformas que potenciam o protagonismo de cada uma, criando novas tendências de agregação social, onde se invertem as regras da cadeia de valor.

A título de exemplo verificou-se na Europa, na última década, um crescimento de utilizadores de internet superior a 390%, atingindo uma taxa de penetração na população de cerca de 63% num universo populacional estimado de 820 milhões de habitantes (World Internet Usage and Population Statistics – June 30, 2012 – internetworldstats.com).  Foram contabilizados no mundo em dezembro de 2011 cerca de 555 milhões de sites ativos (Internet 2011 in numbers – pingdom.com).

Neste cenário tornou-se imperativo para qualquer negócio, estar presente no mundo digital encarando-o de uma forma séria e profissional, com a perspetiva de desenvolver uma verdadeira estratégia de comunicação. Temos cada vez mais utilizadores ligados à rede de informação e entre si.  Estabelecem-se novos hábitos de vida e de consumo baseados em auto-aquisição de conhecimento e recolha de opiniões. Qualquer que seja o tema: empresas produtos, serviços… o utilizador pesquisa, o Google responde e os amigos opinam! Não será difícil encontrar casos de clientes que muitas vezes tê, mais conhecimento do produto do que o próprio vendedor.

O Facebook por exemplo, regista na Europa um número de cerca de 251,5 milhões de utilizadores sendo em finais de agosto de 2012 o continente com mais utilizadores registados nesta rede social atualmente ultrapassado pela Ásia.  Em Portugal o número total de inscritos no Facebook ascende aos 4,7 milhões com uma taxa de penetração de quase 86% dos utilizadores de internet do nosso país (socialbakers.com).
A internet no imobiliário

Internet
O setor imobiliário é uma das áreas de negócio que mais utiliza a internet para divulgação dos seus produtos, e cujos resultados atingem importância de tal ordem, que muitas empresas já baseiam a quase totalidade da sua comunicação na rede, como meio de captar clientes.  No entanto este nível de retorno  não é aplicável a todas as empresas de forma linear.
Assiste-se ainda no setor imobiliário, a um grande alheamento do real propósito e potencial da rede internet. A maioria dos profissionais entende a internet como mais uma montra de exposição de produto, utilizando-a de forma empírica e sem cuidado, dando prioridade à quantidade de exposição sem preocupação com a qualidade da informação a expor.

Os clientes que atualmente procuram um imóvel, não se interessam por informações deficientes e mal concebidas, que lhes causam dúvidas e não lhes inspiram confiança. Os clientes interessam-se mais por boas foto-reportagens, acompanhadas por textos mais centrados nos benefícios  que o imóvel lhes pode proporcionar do que apenas na descrição das suas características.

Requalificar ativos humanos e investir em tecnologia verdadeiramente útil
Para produzir efeitos positivos no negócio é necessário que cada empresa repense a sua forma de comunicar, e que a orientação dos seus profissionais seja realinhada com as novas exigências dos clientes. As organizações devem proceder à requalificação dos seus ativos humanos e tecnológicos, selecionando novas e atuais ferramentas de trabalho para a gestão e organização, que permitam responder de forma ativa e assertiva aos desafios do mercado.

Elaborar um plano de ação orientado para o sucesso requer que cada empresa efetue uma mudança estrutural, substituindo softwares de simples publicação de imóveis e gestão local obsoletos, por ferramentas de CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) de arquitetura internet e orientados para a mobilidade. Este conjunto de ferramentas vai potenciar a empresa e as equipas de trabalho: gestão, marketing e força de vendas, com acesso em tempo real a mais informação, em qualquer lugar e a qualquer hora, reduzindo o risco de perda de oportunidades e garantindo uma maior otimização de recursos.

Esta abordagem irá permitir criar e encadear novos fluxos de informação e comunicação, multiplataformas e multimeios, produzindo e replicando, a partir de uma plataforma única e estruturada, uma mais ampla e coerente presença no mundo digital.

São muito escassas as possibilidades de sucesso se não forem adotadas estratégias de divulgação de informação através da articulação de meios como sites internet, acessíveis simultaneamente a computadores de secretária, tablets e smartphones, altamente cuidados ao nível de design e otimizados para indexação em Google tirando partido do melhor posicionamento nos resultados orgânicos das pesquisas; páginas em redes sociais principais como o Facebook, Twitter e Linkedin e ainda canais de vídeo como o Youtube.

Devem considerar ainda o poder do E-mail Marketing, que representa hoje o principal meio de comunicação escrita.
Na plataforma de Gestão Imobiliária e CRM vai poder manter atualizadas as suas listas de e-mails de clientes e demais bases de contactos que pretenda trabalhar, construir automaticamente as suas newsletters ou boletins informativos e ainda proceder ao seu envio. O potencial de retorno deste tipo de ferramentas é elevado na medida em que manifesta uma atitude proativa da empresa com enfoque no cliente e no que realmente lhe interessa.
A empresa passa a ser o motor do seu próprio negócio, orientada para a procura das suas oportunidades em vez de estar à espera que estas lhe batam à porta.

 

CRM, satisfazer e fidelizar o cliente

CRM

É nesta abordagem e orientação para o cliente que residem os princípios estruturais de uma estratégia de sucesso.  A oportunidade com origem num determinado meio é criada primariamente por uma motivação e seguida da necessidade de satisfação de um cliente. Logo o centro da atenção deve ser o cliente e não a oportunidade em si.  Quantas vezes o cliente solicita informação de um determinado produto e na realidade vai interessar-se por outro. Aqui a empresa deve ter na sua ferramenta de CRM todas as funcionalidades que lhe permitam obter dados importantes para fazer um acompanhamento eficiente, satisfazer a necessidade do cliente e fidelizá-lo aos seus serviços.  Esta construção de relacionamento é indiscutivelmente algo que todos procuram fazer mas poucos conseguem manter.

Um retrato social de Portugal

Portugal retrato social

O INE publicou recentemente “Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos”.

Este é o mais completo e aprofundado retrato ao país e revela dados sociais como: esperança média de vida, PIB por habitante, pessoas coma cesso à internet, casos de SIDA diagnosticados, entre muitos outros.

Eis o resumo do documento revelado pelo INE:

Em Portugal, existe cada vez maior esperança média de vida à nascença. Nascem e morrem menos pessoas. Casa-se cada vez menos e mais tarde. As famílias têm cada vez menos filhos.
Em 2011, os casos de SIDA diagnosticados nesse ano e os óbitos por VIH diminuíram. Por outro lado, aumentaram as mortes por cancro.
O abandono precoce de educação e formação manteve a trajetória de redução e registaram-se mais pessoas inscritas no ensino superior.
Cada vez maior número de famílias tem acesso em casa a computador, à Internet e à banda larga.
Houve menos dormidas na hotelaria e menos viagens ao estrangeiro, por razões de lazer ou férias.
As autoridades policiais registaram menos crimes.
O PIB por habitante decresceu, em termos reais; o Consumo Final da Famílias e o montante dos empréstimos para compra de habitação, também diminuíram.

Estas são apenas algumas das principais conclusões de um retrato muito mais vasto e abrangente, resumido no presente Destaque e cuja informação integral pode ser encontrada na publicação hoje disponibilizada em www.ine.pt.

Prosperidade e crescimento

O sistema que preside à organização económica e ao modo de viver das sociedades actuais, o qual modelou a presente “globalização”, assenta num pressuposto indispensável: o crescimento contínuo da economia. 
O sistema que preside à organização económica e ao modo de viver das sociedades actuais, o qual modelou a presente “globalização”, assenta num pressuposto indispensável: o crescimento contínuo da economia. Por tal modo que, até agora, a única via de saída da crise actual, apresentada por economistas, políticos e responsáveis de todas as instâncias, é a famigerada “retoma”. Entenda-se por isso a “retoma do crescimento económico”. Nos últimos 60 anos, o mundo assistiu a um crescimento exponencial da economia, em grande parte impulsionado pela disponibilidade de uma energia abundante e barata: os combustíveis fósseis. Nesse período, cresceu cinco vezes o PIB global, aumentou três vezes a população, subiram generalizadamente os níveis de conforto, saúde, mobilidade e bem-estar. Porém, e paradoxalmente, esse crescimento beneficiou mais uns países do que outros. De tal forma que, nas últimas décadas, as diferenças entre ricos e pobres se acentuaram, em lugar de diminuírem.

Desejável seria que esta tendência de crescimento pudesse continuar no futuro, por forma a assegurar o pleno emprego, a estimular a inovação, a incentivar o investimento e a concorrência. Mas parece cada vez mais evidente que tal não irá acontecer. Pode até ser necessário, se não mesmo vantajoso, que tal não aconteça. Muitos dos problemas actuais, como o aquecimento global, o esgotamento dos recursos energéticos, o desequilíbrio ambiental, e até as diferenças entre ricos e pobres, só poderão agravar-se com o crescimento.

Sendo previsível que a população mundial continuará a crescer, é lícito perguntar como vai compatibilizar-se esse crescimento populacional com a estagnação da economia, com o “pico” da produção energética, ou mesmo com a regressão dessa produção? Que respostas haverá para cerca de 1/3 da população mundial, (que na China, ou na Índia, ou no Paquistão, aspira a atingir os níveis de conforto dos países mais desenvolvidos), caso não lhe seja possível aceder a eles?

A nossa civilização enfrenta um desafio, importante e decisivo, porque global: para não agravar os desequilíbrios do planeta, (o aquecimento global, a poluição ambiental, a gestão dos recursos cada vez mais escassos), estamos condenados a viver sem crescimento. Os próprios economistas, enquanto anunciam a retoma ali ao virar da esquina, começam a dar-se conta da cruel realidade, e já falam de “economia estável”. Embora pareça que ainda não encontraram a fórmula de a pôr em prática, nem ainda entenderam as leis que a governam.

O ser humano, como qualquer outro ser da criação, aspira à prosperidade, anseia por crescer e reproduzir-se, é o flourishing da vida. E na sociedade actual, o conceito de “prosperidade” está predominantemente ligado à posse de bens materiais. Para o cidadão comum é isso que traz felicidade. Está a chegar o momento de colocar a questão doutra maneira: é possível prosperar, sem acumulação de riqueza? Não só é necessário acreditar que sim, como também vai ser preciso pô-lo em prática.

Para sobreviver, a nossa civilização tem de encontrar formas de prosperar sem crescimento: uma prosperidade não centrada em conteúdos predominantemente materiais, em que se valorize mais o “ser” do que “ter”, num mundo com novos valores e uma nova espiritualidade.

Nem será um caminho fácil, nem pode ser deixado ao arbítrio de cada um. E exigirá dos governantes muita sabedoria, se o quisermos percorrer em democracia. Porque abrir esse caminho será um exercício no fio da navalha: entre a ameaça do colapso, e a violenta regressão a regimes e tempos de totalitarismo.

A sociedade de consumo, baseada no materialismo, tem que ceder lugar a uma sociedade mais altruísta, baseada na solidariedade humana. No fundo implica uma nova moral, dir-se-ia até uma nova religião. À semelhança do papel que teve o Cristianismo, no colapso inevitável do Império Romano, defendendo a igualdade, a irmandade, o fim da escravatura e da exploração humana.

As “marcas” do moderno mercado vão ter que devolver aos deuses e aos heróis do passado as simbologias, os valores arquetípicos e a força mitológica de que oportunamente se apropriaram. Como dizia Alan S. Drake, “no futuro, o consumidor tem de voltar a ceder lugar ao cidadão; juntamente com a responsabilidade e os deveres que o conceito implica.”

A mudança nas formas de comunicar, trazida pela Internet, poderá conter em si uma esperança nova. No campo da comunicação, é esta a terceira grande revolução da Humanidade, depois das descobertas da escrita e da imprensa. E se a “escrita” produziu a Bíblia e o Corão, e a “imprensa” nos trouxe Martinho Lutero e os ideais da Reforma, quem sabe se na Internet não andará a semente de uma nova religião. De uma nova forma de viver, na qual seja possível encontrar uma nova forma de prosperidade.

%d bloggers like this: