Arquivos de sites

Juros a 2 anos da dívida grega superam os 110%

As “yields” pedidas pelos investidores para terem em carteira obrigações do país estão em forte alta.

Pela primeira vez desde a entrada no euro, as obrigações públicas gregas a 2 anos têm a “yield” neste patamar.

Em contrapartida, na maturidade a 10 anos, os juros da dívida soberana grega descem 36 pontos base, a fixarem-se nos 28,08%.

Recorde-se que o Banco Central Europeu (BCE) regressou a 5 de Agosto ao mercado secundário para comprar dívida soberana, depois de 18 semanas consecutivas sem intervir. Foi também a primeira vez que comprou dívida soberana de Itália e Espanha.

Anúncios

Risco de crédito da Europa não pára de subir

A incerteza quanto aos efeitos da crise soberana da zona euro está a aumentar o risco de crédito dos agentes da região.

O preço dos seguros que protegem os investidores contra o eventual incumprimento das maiores empresas europeias está hoje a subir 6% e, pela primeira vez, o risco das obrigações soberanas europeias é superior ao risco das obrigações de mercados emergentes.

De acordo com o índice Markit iTraxx Europe, que acompanha a evolução dos ‘credit default swaps’ (CDS) das obrigações a 5 anos das 125 companhias europeias com o ‘rating’ de risco de crédito mais elevado, está hoje a subir 6% depois de ontem ter valorizado 2,28%.

Este índice é uma referência do custo de protecção das obrigações contra um eventual incumprimento do emitente e uma valorização do índice aumenta o sinal de percepção de deterioração por parte dos investidores sobre a qualidade do crédito das empresas visadas.

No mesmo sentido segue o risco das obrigações soberanas dos países da Europa Ocidental que, pela primeira vez, é mais elevado que o risco dos títulos de dívida dos países emergentes.

“Os receios acerca da periferia [da zona euro] estão a puxar para baixo a Europa Ocidental”, referiu Harpreet Parhar, estratega do Credit Agricole à Bloomberg, frisando que “os mercados emergentes têm histórias de crescimentos sólidos e não estão directamente expostos aos assuntos da periferia.”

 

Gostava de ser rico

Oh, como eu gostava de ser rico! Não era por nada, mas dava-me um certo gozo não fazer nada, viver ociosamente dos rendimentos e pagar uma taxa de IRS muito menor do que a que é suportada pelos que trabalham…

Vejamos. Se eu trabalhar muito e for bem remunerado, porque sou um profissional competente, trabalhador, diligente e dedicado, a minha taxa marginal de imposto pode ser de 42%. Isto é, por cada €100 euros de rendimento proveniente de trabalho adicional que se obtém por prolongar os horários de trabalho, por aumentar as competências e o meu bom desempenho técnico em detrimento do lazer ou do convívio com a família ou amigos, o Estado tributa-me €42 de imposto sobre o rendimento.

João Duque , professor catedrático do ISEG

%d bloggers like this: